Agenda Serviços

SescTV lança on demand a série Envelhecer

@Flickr_SescTV
@Flickr_SescTV

SescTV disponibiliza on demand,  a série Envelhecer, dirigida por Claudia Erthal e Paulo Markun. A produção é composta por 13 episódios, que abordam os diferentes aspectos do processo de envelhecimento no século XXI. 

 

Velhice Hoje 

Velhice Amanhã 

Direitos e Deveres  

Envelhecer 

O Valor da Experiência 

Autonomia 

Preconceito 

Moradas 

Saberes 

Ausências 

Trabalho  

Sexualidade 

Finitudes 

 

Podem ser assistidos sem sair de casa, em sesctv.org.br gratuitamente e sem necessidade de cadastro.  

O episódio Trabalho apresenta as dificuldades, preconceitos e possibilidades que os idosos encaram para se inserir ou voltar ao mercado de trabalho, que tende a excluir os mais velhos. Também são exploradas as motivações para a volta ou permanência dos idosos ao mercado de trabalho e aspectos como engajamento, autoestima, reinvenção e necessidade econômica. 

Um dos exemplos de trabalho na terceira idade é o de Michel Cocucci (80 anos), e barbeiro há 63 anos. Segundo ele trabalhar é uma satisfação, um estímulo: “A mente precisa estar ativa, não pode parar. Eu venho, leio o jornal, falo com os clientes e essa rotina é minha vida”, afirma Michel. 

A estrutura jurídica brasileira, no que diz respeito à pessoa idosa, é bastante consistente, entretanto, a aplicação das leis é difusa, de modo que nem sempre o idoso consegue exercer os direitos previstos em lei.  

Durante o episódio Direitos e Deveres são discutidos os direitos e os deveres da pessoa idosa e os obstáculos para sua efetivação. 

Gláucia, cuidadora de idosos, conta como foi o processo de curatela de Dona Cotinha. 

O enfermeiro Bruno narra as dificuldades com a burocracia da justiça, para conseguir um medicamento de alto custo para a mãe. 

E Amélia, terapeuta emocional, nos mostra como é cuidar de sua irmã, Célia, há quase duas décadas. 

Além das histórias, o episódio traz a visão de especialistas na área do envelhecimento e da justiça – que acreditam na importância da mobilização da sociedade no apoio à causa dos idoso. 

No episódio Envelhecer Saberes, registra momentos da vida de idosos e suas dinâmicas criativas. Professores, uma pesquisadora, um artista múltiplo, uma poetisa e um filósofo, falam a respeito das convivências e políticas públicas nessa fase da vida. 

 O educador Mário Sérgio Cortella (65 anos), compara a morte de um idoso a queima de uma biblioteca, como se perdêssemos uma série de conhecimento e informações. “Há sociedades que entendem o idoso como patrimônio e não um encargo. Mas, há outras que a lógica é deixar a pessoa por conta própria, já que ela não é mais produtiva”, explica Cortella. 

Velhice Hoje investiga os desafios do processo de envelhecimento, as formas de envelhecer e traz reflexões sobre a revolução da longevidade.  

Hoje uma das piores coisas da velhice é a solidão, porque ela traz muitas lembranças difíceis de lidar”, comenta sobre os desafios da terceira idade e rotina GuilhermGargantini, aposentado de 79 e criador do Grupo Divertidosos. Ele se dedica ao site do grupo, que teve mais de 150 mil acessos nos últimos cinco anos e segundo Guilherme ajuda a passar o tempo. 

Os sentimentos relacionados à expectativa do fim da vida são o tema do episódio Finitudes, que conta com depoimentos de pacientes com doenças terminais, idosos, advogados, gerontólogos, economistas e pessoas envolvidas em tratamentos de saúde paliativos.  

 Segundo a economista Ana Amélia Camarano, 67 anos, o Brasil é um cenário macabro para cuidados de fim de vida das pessoas que morrem no país. E falta sensibilidade com relação às necessidades de cuidados com quem está em sofrimento. 

 “Estudos de 2010 apontam que o Brasil é o 3º pior lugar do mundo para morrer, atrás de Índia e Uganda. Em 2015, porém, o Brasil esteve no 42º lugar e Uganda passou à frente”, diz Ana Amélia.  

 O episódio O Valor da Experiência propõe reflexões sobre como a convivência intergeracional e a troca de informações contribuem para a longevidade, a construção de respeito e a valorização dos idosos. Durante o episódio, é ressaltado que idealmente uma sociedade não deveria precisar fazer esforços para aproximar as gerações, e o quanto é necessário a reinvenção e ressignificação da vida para os mais velhos. O episódio mostra um casal de avós que cuidam da neta; uma pesquisadora e blogueira de 88 anos; uma família que une diariamente três gerações durante as refeições, e a relação entre pai e filho que são médicos geriatras que trabalham juntos. 

Ao longo do episódio Autonomia aparecem várias definições a palavra, retiradas de dicionário, e quase todas atreladas à ideia de liberdade e independência.  

“Envelhecer é perder o alcance, alguma coisa que emperra. A espontaneidade desaparece e perdemos a visão periférica, a linha do horizonte”, afirma Ivaldo Bertazzo, professor de psicomotricidade com 69 anos. Durante o episódio Ivaldo comenta a importância de alguns movimentos e o quanto os velhos são capazes de ganhar capacidade de se relacionar com outros em espaços diminutos sem obstruir a passagem, sem se bater, vencendo pequenos desafios diários.  

O encontro entre jovens e velhos revelando suas impressões sobre a velhice e o futuro da longevidade, é o tema central do episódio Velhice Amanhã. Por meio de depoimentos, entrevistados falam das relações familiares, das mudanças tecnológicas, das limitações físicas, da memória, do tabu do envelhecimento, dos desejos de perpetuar o legado, das descobertas científicas, da morte, dos prazeres e dos desafios da convivência intergeracional. Nonagenários também falam sobre a longevidade e suas motivações. 

Preconceito investiga as formas de discriminações comuns à velhice; traz questões relacionadas ao mercado de trabalho; ao transporte público; ao idadismo – preconceito em relação à idade; ao conflito de gerações e ao idoso em situação de cárcere.  

Cláudio Antônio da Cruz (Kric Cruz), ativista cultural, 62 anos, compartilha sua experiência no cárcere e explica que um idoso enfrenta muitos problemas, especialmente quando saí da prisão. “É muito difícil envelhecer dentro da prisão e ver que você está prestes a sair de lá sem perspectiva de relacionamento familiar ou de um emprego”, afirma Cláudio Antônio, que passou mais de 20 anos encarcerado. 

O episódio Moradas discute a importância da moradia para os idosos. Durante o episódio os idosos falam sobre suas relações e histórias que os conectam com seus lares.  

Um dos inúmeros depoimentos, Silas César da Silva, 60 anos, engenheiro, conta que após o falecimento de seu pai, a família mudou-se para o lugar que mora há 45 anos. Segundo ele sua casa representa uma grande mãe, que acolhe. 

Ausências discute a falta da presença de familiares, amigos ou estrutura socioafetiva, que ampare e se relaciona com os idosos. O programa acompanha diversos idosos em seus ambientes com um idoso em situação de rua e um pajé. O episódio também e investiga formas de violência sofridas na velhice e o suicídio. 

O episódio Sexualidade discute o sexo na terceira idade e como o tema é cercado de preconceitos, falta de informação e invisibilidade. Por meio de depoimentos, reflete-se sobre o sexo nessa fase, os tabus, a revolução produzida com o surgimento dos medicamentos para disfunção erétil, o risco das doenças sexualmente transmissíveis. 

 “Uma das coisas mais belas da experiência humana é o desejo, não tem fim. Quando você envelhece é obrigado a descobrir outras facetas, possibilidades”, explica o escritor João Silvério Trevisan, 74 anos. Segundo ele os velhos de hoje, participantes da revolução sexual dos anos de 1960/70, vivem agora o redescobrimento dos seus desejos e necessidades sexuais. 

Envelhecer aborda questões relacionadas ao processo de envelhecimento, aos apelos midiáticos à velhice, aos problemas econômicos e aos desafios do enfrentamento dessa realidade. 

Um dos depoimentos do episódio é do psicanalista Jorge Forbes, 68 anos. Ele diz que envelhecer é saber que está numa idade em que as escolhas são mais importantes, não há tempo a perder. “Envelhecer para mim é entender que estou mais em uma idade de pouso do que decolagem”, diz Jorge. 

 

Para sintonizar o SescTV: 

Consulte sua operadora  

Assista também online em sesctv.org.br 

Siga o SescTV no twitterhttp://twitter.com/sesctv 

E no facebook: https: facebook.com/sesctv