Saúde

Manter-se afastado quando possível e com muito cuidado no cotidiano

@pixabay_StockSnap
@pixabay_StockSnap

Em meio à pandemia do novo coronavírus, idosos, gestantes e portadores de doenças crônicas são alguns dos que fazer parte do grupo de risco e que estão mais suscetíveis a pegar a covid-19. É mandatório que essas pessoas que possam vir a ter maiores complicações ao contrair o vírus, evitem contato com alguém externo. Mas, entre esses, há aqueles que tem necessidade de cuidados especiais, como o de cuidadores. Como dever ser feito nesses casos? 

Para ser um profissional cuidador é necessário ter realizado um curso específico de cerca de 160 horas. É papel do cuidador oferecer apoio especial à pessoa assistida, zelando pelo bem-estar, saúde, alimentação, higiene pessoal, educação, cultura, recreação e lazer, sem privá-lo da sua rotina. Por sua proximidade com a área de saúde, é comum vermos enfermeiros fazerem o curso e se tornarem cuidadores. Mas não é regra, pois é um curso livre, aberto a todos que sentem a vocação para a função. 

A movimentação externa, tanto no trajeto do cuidador até a casa da pessoa assistida, bem como as atividades ao ar livre, requer o uso de equipamentos de proteção individual (EPIs). Além das recomendações de sempre estar com máscaras do modelo N-95 (se caso não tiver, use a cirúrgica), o álcool em gel 70% ao alcance, luvas, ter cuidados como lavar as mãos com água e sabão constantemente e, ao entrar em um domicílio, tirar os sapatos ou lavar o calçado com cloro diluído em água, os profissionais cuidadores devem seguir a orientações específicas, que vão além dessas gerais, comuns a todas as pessoas. 

Para cuidadores, João Gregório, doutor em ciências da Saúde e professor da Faculdade Santa Marcelina aponta, ainda, o uso do avental de manga cumprida e que seja usado somente no local de trabalho. “No dia a dia, é importante ainda que se mantenha uma distância de dois metros da pessoa assistida quando não estiver prestando o cuidado, não utilizar ou misturar os objetos de uso pessoal dela aos seus, e, por último, é recomendado tomar um banho quando chegar no local de trabalho”, complementa. 

  

Outro lado 

Já em uma zona mais afastada do centro é possível observar que há muitos casos de pessoas que também precisam desses cuidados, mas não podem arcar com o investimento necessário para terem um cuidador. “Há um movimento interessante e solidário de vizinhos ou alguém da própria rua, que se disponibilizam em ir até o mercado e comprar os produtos que o idoso precisa, para que se evite, assim, as chances de contágio”. Porém, o professor ressalta ser de extrema importância lavar a sacola que chega do ambiente externo. “Pode ser usada uma parte da mesma diluição de água e cloro, antes de higienizar os sapatos”, finaliza João Gregório.