Saúde

Estudos apontam que o segredo da longevidade está em manter os laços afetivos e investir no aprendizado

© Depositphotos/Angel Nieto
© Depositphotos/Angel Nieto

O Dia do Idoso é comemorado no Brasil no dia 1º de outubro e tem como objetivo valorizar as pessoas com mais de 60 anos em nossa sociedade. A data marca a promulgação do Estatuto do Idoso – Lei N°10.741, que reforça a importância da proteção a esse público e estabelece direitos como a prioridade em alguns serviços e a garantia de acesso à saúde, alimentação, educação, cultura, lazer e trabalho.

De acordo com o IBGE, a proporção de pessoas com 60 anos ou mais passou de 9,8% para 14,3% entre 2005 e 2015 no Brasil. Também houve um aumento na participação de pessoas com 60 a 64 anos entre os idosos ocupados, de 47,6% para 52,3%. Em paralelo, caíram as proporções de crianças de 0 a 14 anos (5,5 pontos percentuais) e de jovens de 15 a 29 anos (3,8 pontos percentuais), demonstrando uma clara tendência de envelhecimento demográfico. Os dados são do estudo Síntese de Indicadores Sociais (SIS): uma análise das condições de vida da população brasileira 2016.

“A queda da fecundidade e o aumento da expectativa de vida representam hoje um novo padrão demográfico para o Brasil, impactando diretamente sua pirâmide etária. A previsão é que em 2060 a população jovem represente apenas 15,34% do total. Em 2030, quase metade da força de trabalho estará acima de 45 anos. Os dados são relevantes e exigem cuidados que impactam a agenda de saúde pública para a promoção de uma vida melhor e mais longa”, afirma Maristela Soubihe.

A socialização é importante para a saúde mental da população 60+, que costuma receber menos estímulos cognitivos conforme envelhece. É possível se preparar para essa fase da vida durante a juventude, estabelecendo laços com as pessoas e praticando mudanças em seu estilo de vida.

De acordo com o Estudo de Harvard do Desenvolvimento Adulto, pessoas que estão mais conectadas socialmente são mais felizes, têm mais saúde e vivem mais do que aqueles com poucas conexões. Saber pedir e conceder perdão é uma habilidade importante para a manutenção de bons relacionamentos com amigos, familiares e com a comunidade.

A pesquisa, que já vem sendo realizada há 75 anos com dois grupos de homens e agora com seus filhos, é um dos estudos longitudinais mais abrangentes de toda a história. Uma de suas principais descobertas foi que bom relacionamento nos mantém mais felizes e saudáveis.

Já o estudo britânico Potentially modifiable lifestyle factors, cognitive reserve and cognitive function in later life: A cross-sectional study, revela que diferentes mudanças no estilo de vida podem ajudar a preservar a função cognitiva mesmo ao envelhecer. Alguns dos fatores que influenciam significativamente a manutenção desta função são a prática de atividade física, uma dieta saudável e atividade social e cognitiva.

A mesma pesquisa aponta que a perda das capacidades cognitivas não é uma parte inevitável do envelhecimento. A geriatra defende o planejamento para a vida idosa incluindo novos aprendizados e destaca a importância da manutenção de bons relacionamentos ao longo da vida.

“O isolamento do indivíduo faz mal à saúde, por isso manter o contato com as pessoas e melhorar as relações é muito importante. São coisas que qualquer um pode fazer antes de atingir a maioridade e que podem melhorar e muito a qualidade de vida. É necessário se preparar para envelhecer, é um hábito que a população brasileira ainda precisa desenvolver e que vai fazer toda a diferença no futuro. Além disso, é importante manter-se ativo e aberto a novas experiências de aprendizagem como cursos, aulas, workshops, oficinas, algo que traga benefícios cognitivos”, afirma Maristela.

© Diego Cervo
© Diego Cervo

Veja a seguir dicas da geriatra Maristela Soubihe de como envelhecer melhor:

  1. Tenha boas amizades: a manutenção de conexões pessoais e a socialização trazem diversos benefícios ao idoso, como felicidade e longevidade. Um estudo publicado na revista científica Personal Relationships mostra que as amizades são muito importantes para a manutenção da saúde e bem-estar do idoso.
  2. Aprenda uma atividade nova: novos aprendizados exploram novas áreas do cérebro, melhorando a cognição. Assim como o corpo, o cérebro também precisa ser exercitado, pois no decorrer dos anos a sua capacidade vai diminuindo, o que pode causar o comprometimento da memória. A recomendação para evitar falhas de memórias é buscar novas atividades para estimular o funcionamento do cérebro. Cada vez que o cérebro gasta energia para encontrar uma nova maneira de executar uma tarefa, a mente fica mais saudável e fortalece as conexões cerebrais. Aulas de informática, de idiomas, de instrumentos musicais, etc, são uma boa pedida.
  3. Tenha objetivos, metas e sonhos: a aposentadoria é o momento certo para o idoso realizar planos que ainda não foram realizados. É importante traçar metas, estabelecer prioridades e ter disciplina para que o planejamento seja factível. Idade não é obstáculo.
  4. Assuma compromissos: manter-se ocupado é importante para o idoso ter a mente ativa e cumprir um papel na sociedade. A evolução da medicina aumentou o tempo de vida, permitindo envelhecer com mais saúde e disposição. Com os filhos já adultos e independentes financeiramente, é possível planejar melhor seu tempo e investimentos. Faça cursos e oficinas de temas de seu interesse. Invista em um talento ou em algo que você já gosta. Manter a mente ativa pode ajudar a prevenir doenças como demência.
  5. Pratique atividade física: a prática de exercícios prepara o corpo e os músculos para a velhice. A atividade física para idosos deve ser feita com regularidade, mas sempre com acompanhamento médico. Atividades de baixo impacto como caminhadas, danças de salão, hidroginástica e tai chi chuan são benéficas e minimizam o risco de lesões.
  6. Cuide da alimentação: a dieta na terceira idade é diferente das demais etapas da vida porque, nessa fase, olfato e paladar ficam progressivamente comprometidos. A produção de saliva também diminui e aparecem as dificuldades no processo de mastigação e deglutição. Além disso, quem sofre de doenças crônicas precisam lidar com restrições dietéticas. Diante dessas dificuldades, o Ministério da Saúde publicou, em 2010, o Manual de Alimentação Saudável para a Pessoa Idosa com o objetivo de tornar o dia a dia do idoso mais prazeroso. A recomendação é fazer pelo menos três refeições diárias (café da manhã, almoço e jantar), evitar produtos industrializados, diminuir a quantidade de sal na comida e beber pelo menos dois litros de água por dia.

Ações do Hospital Santa Paula para o público 60+

Terceira idade é um tema prioritário na agenda do Hospital Santa Paula, que em 2015 conquistou o Selo Hospital Amigo do Idoso, concedido pelo Governo do Estado de São Paulo. Esta certificação exige o cumprimento de ações de acolhimento e humanização dentro do hospital, adaptando a forma de gestão assistencial, identificação e desenvolvimento de programas de capacitação do pessoal e adaptação dos ambientes para melhor adequar às necessidades dos idosos, garantindo segurança e acessibilidade. O hospital realiza ações permanentes voltadas à capacitação dos profissionais e apoio aos cuidadores e acompanhantes de pessoas com mais de sessenta anos.

Em julho, o Hospital Santa Paula fechou uma parceria com o Projeto Velho Amigo – Associação de Amparo ao Idoso, uma entidade sem fins lucrativos que contribui para o melhor funcionamento de instituições de longa permanência, garantindo recursos para idosos em situação de vulnerabilidade social. A partir de agora, os médicos do Hospital Santa Paula doam horas para as 17 associações ligadas ao projeto, contemplando aproximadamente 700 idosos.

Os atendimentos são realizados no Hospital Santa Paula com especialistas das áreas de geriatria, cardiologia, pneumologia, urologia, neurologia, psicologia, ortopedia, dermatologia, endocrinologia, ginecologia e cirurgia do aparelho digestivo. O objetivo é promover a melhoria da qualidade de vida dos idosos e resgatar a sua autoestima por meio da inclusão social e ações de saúde preventiva.

Ainda em julho, o Hospital Santa Paula promoveu a Oficina do Envelhecimento. A ação foi uma homenagem ao Dia dos Avós, lembrado em 26 de julho, com o intuito de promover a conscientização da população sobre a importância de manter uma relação de cuidado e atenção com os idosos, sentindo na pele o que é o avanço da idade. Na ocasião, o visitante se deparava com uma estação que transmitia uma simulação das principais dificuldades dos idosos: locomoção, audição, visão e atividade sensorial.

A dra. Maristela Soubihe foi uma das palestrantes do Festival LAB60+ 2017, festival de inovação em longevidade que está em sua quarta edição. O tema deste ano foi “A emergente força da senioridade”. A médica falou sobre longevidade e o processo positivo do envelhecimento no âmbito da saúde dentro da mesa redonda LAB60+Conecta: Saúde e Longevidade.

*Dra. Maristela Soubihe

Geriatra do Hospital Santa Paula fala sobre a importância de bons relacionamentos para a longevidade e o papel consciente das pessoas frente ao envelhecimento, em entrevista à jornalista Daiane Leide

Hospital Santa Paula

Av. Santo Amaro, 2468 – Vila Olímpia

(11) 3040 8000

www.santapaula.com.br

Sobre o autor

guiada3aidade

Tudo para 3a Idade em um único lugar. Saúde, Finanças, Geração 50+, Entretenimento e Diversão, Moradia, Agenda, Produtos, Guia de Viagem e muito mais.